Léo Moraes é contra o aumento do ICMS em combustíveis de Rondônia

Em 2018 ocorreram muitos protestos em nosso país, protagonizados por caminhoneiros tendo como pauta central das reivindicações a tributação dos combustíveis. Um dos tributos cobrados nos combustíveis é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado pelos estados. Esse tributo incide sobre diferentes produtos, sendo cobrado de forma indireta, o valor é incluído no preço do produto comercializado ou em serviços prestados.
O ICMS é regulamentado de forma individual em cada Estado, que ajustam a porcentagem cobrada em suas regiões de atuação. O tributo é cobrado apenas quando uma mercadoria é vendida ou algum serviço é proporcionado para o consumidor, que passa a ser o titular do item ou do resultado do serviço prestado.

“Apenas com redução de impostos conseguiremos gerar mais oportunidades de crescimento para Rondônia e para o Brasil”. 

Desde seu mandado como vereador, Léo Moraes se posiciona contra projetos da administração pública que proponham aumento de impostos sem contrapartidas em favor da população. Em 2015, a Assembleia Legislativa de Rondônia votou sobre o aumento do ICMS da gasolina e álcool, que passou de 25% para 26%. O deputado votou contra essa decisão, mas continua lutando pelo melhor para os rondonienses, para garantir que os trabalhadores devem ter seu dinheiro bem aplicado.
Para o deputado, o desenvolvimento social se faz com menos impostos e mais oportunidades de crescimento. Na época Léo Moraes reforçou o assunto: “Apenas com redução de impostos conseguiremos gerar mais oportunidades de crescimento para Rondônia e para o Brasil”.